Sistema Famato
SENAR
IMEA
       
Fale Conosco
 
VTN 2018
Vacinação Contra Febre Aftosa
TV Famato, informação sempre perto de você
   
 
 
03 de Out de 2018

voltar
 
PALESTRAS TÉCNICAS
Famato esclarece dúvidas sobre o Valor de Terra Nua para cálculo do ITR
Ascom Famato
 

Produtores rurais de Tangará da Serra e Diamantino participaram nesta semana de palestras técnicas sobre o Imposto sobre Propriedade Territorial Rural (ITR), com a gestora do Núcleo Jurídico da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Elizete Ramos, e o analista de Assuntos Fundiários, Lino Amorim. As palestras foram solicitadas pelos sindicatos rurais dos municípios. Em Tangará da Serra o encontro aconteceu segunda-feira (01/10), na sede do sindicato, e em Diamantino no dia 2 de outubro (terça-feira) no prédio da entidade. 

Em Tangará da Serra, os produtores rurais estão preocupados em relação ao Valor da Terra Nua (VTN) a ser pago para a apresentação da Declaração do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (DITR), e questionam a metodologia utilizada pelo poder público municipal. 

No entendimento dos produtores, os valores fogem completamente do que é definido pela legislação para o estabelecimento do VTN. “O que se entende é que as prefeituras estão baseando o VTN em valores de mercado. Estes estão oscilantes e o VTN não deve considerar as benfeitorias”, explicou a gestora Elizete Ramos ao conversar com os produtores. 

Elizete ainda esclareceu que o conceito de terra nua não leva em consideração qualquer intervenção feita para torná-la produtiva. “O VTN é baseado somente no solo, sem o investimento para torná-lo produtivo. É como a avaliação de imóveis urbanos na qual se leva em conta o valor venal e não o valor de mercado que pode variar de acordo com as circunstancias”, exemplificou Elizete.  

Segundo a gestora, a tabela publicada pela prefeitura de Tangará da Serra para 2018 tem o maior valor, se comparado com os municípios ao entorno. “O valor da tabela, que é de R$ 16 mil em terra boa, está fora da realidade da região. Há municípios com o mesmo tipo de terra e a diferença é exorbitante, totalmente fora da realidade”, ressaltou a advogada. 

Os produtores apontaram a dificuldade de interlocução com o executivo municipal e a falta de diálogo por parte da prefeitura com o setor produtivo.   

A Famato orientou o presidente do sindicato de Tangará da Serra, na qualidade de representante dos produtores rurais, a reivindicar o estudo técnico de levantamento de preços e metodologias aplicadas para chegar ao valor cobrado. No caso de recusa, não havendo resposta, a orientação é que o sindicato apresente uma representação ao Ministério Público Estadual (MPE) que tem o poder de requisitar o estudo. E em últimos casos, será necessária uma medida judicial. “Se o MP entender que não tem competência ou não há interesse de dar continuidade, aí sim teremos que recorrer a uma ação judicial para que o prefeito apresente como ele chegou ao valor cobrado”, explicou Elizete.

Já no município de Diamantino, a prefeitura manteve os laudos e estudos de maneira pública para que os produtores rurais pudessem fazer a contraprova e chegarem a um consenso. “Em Diamantino a discussão não se trata do valor da tabela dos valores de terra nua. O problema é somente em relação às notificações da Receita Federal referentes aos anos de 2013 e 2014”, apontou Elizete. 

Em Diamantino a discussão girou em torno das notificações encaminhadas pela Receita Federal referente ao valor declarado em 2013/2014, período em que não havia tabela dos valores de terra nua. Os produtores estão tendo que comprovar para a Receita Federal que o valor declarado naquele período é o correto. “Legalmente, a alternativa é fazer um laudo técnico de acordo com as normas da ABNT para a comprovação do preço. Porém existe um problema, o laudo não garante que o engenheiro vai concluir que aquele preço que ele declarou é o preço correto para aquela época”, explicou Elizete.    

A gestora esclareceu ainda que ao receber a notificação o produtor tem um prazo de 20 dias para apresentar o laudo de defesa. O prazo conta a partir do recebimento. Não sendo suficiente, o produtor deverá requerer a prorrogação por mais 20 dias. Nesse tempo ele deve avaliar os preços de terra nua para a propriedade que a Receita está apresentando, baseado na tabela SIPT - Sistema de Preços de Terras (SIPT), da Receita Federal do Brasil, e verificar a diferença a ser paga e se compensa investir na contratação de um laudo técnico, que muitas vezes fica acima da diferença cobrada pela Receita. 

"Sugerimos que o produtor faça comparativos com a tabela do Incra disponível referente ao ano de 2011, devendo ser atualizada até os exercícios cobrados, mediante laudo de um engenheiro agrônomo e tentar encontrar justificativas plausíveis que comprovem o preço declarado. Havendo concordância do produtor com os valores indicados pela Receita Federal na notificação, o produtor terá o benefício de 50% do valor da multa aplicada que é de 75% sobre a diferença o valor do imposto a ser pago”, esclareceu a gestora.  

Os produtores de Tangará da Serra também estão sendo notificados sobre as declarações dos anos de 2013 e 2014. As mesmas orientações dadas aos produtores de Diamantino foram repassadas em Tangará da Serra. 

 



Fonte: Ascom Famato
 

VEJA TAMBÉM
Produtores da Regional Norte reúnem-se em Alta Floresta
Produtores da região Leste de MT discutem melhorias para o setor produtivo rural
Missão Técnica leva produtores de MT para conhecer a produção de leite no Goiás
Colaboradores dos Sindicatos Rurais de MT estão em Cuiabá participando de treinamento
 
Eventos

nenhum evento com foto
 
Cenarium Rural
 
Galeria Multimídia
Videos
Fotos
Bom dia Senar MT - Sobre Funrural
A produção de etanol a partir do milho
MT tem potencial e visibilidade economica
 
 
       
 
   webmail   
 
e-Famato   
 
(65) 3928-4400
famato@famato.org.br
 
Rua Eng. Edgard Prado Arze, s/n
Centro Politico Administrativo
CEP 78.049.908 - Cuiabá-MT